Programa Educação e Meio Ambiente Associação Cairuçu

Horta Educativa e Consciência Limpa reúnem comunidades para cuidar da natureza
Projetos sensibilizam para a preservação e promovem debate de questões socioambientais tendo em vista o futuro das gerações.
Plantar, cuidar e colher. O aprendizado adquirido pelos moradores das comunidades do Patrimônio, Laranjeiras e Ponta Negra que se envolvem com os projetos de Educação Ambiental da Associação Cairuçu tem o poder de se propagar pelas gerações futuras e é fundamental no trabalho de sensibilização sobre práticas sustentáveis. Fundamentados no princípio universal estabelecido na ECO 92, os projetos Horta Educativa e Consciência Limpa valorizam o pensamento crítico através de vivências e atividades lúdicas com o objetivo de transformar atitudes e contribuir para o bem-estar dos cidadãos em harmonia com a natureza, especialmente no que diz respeito à Mata Atlântica remanescente na região de Paraty.

DESTAQUE
Política Nacional de Educação Ambiental
De acordo com a Lei nº 9795, de 27 de Abril de 1999, entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.

Em 2018 a bióloga Bete Canela, Coordenadora do Programa Educação e Meio Ambiente, implementou a transversalidade da educação ambiental nas diversas ações dos Centros de Educação Integral Cairuçu. Os estudantes inscritos em projetos dos outros três programas da Associação Cairuçu (esporte, arte e tecnologia) foram estimulados a participar das atividades ambientais, como por exemplo o manejo orgânico das hortas dos CEICs Patrimônio e Laranjeiras.

Os times da Escolinha de Futebol do CEIC Patrimônio e do CEIC Laranjeiras foram convidados a plantar sementes de horta em vasinhos para serem cuidados nos viveiros de mudas até estarem prontos para as residências dos alunos. No Patrimônio, depois de 4 meses o estudante Diogo transplantou uma mudinha de tomate que semeou para o seu quintal. “Ele ficou muito orgulhoso pelos tomates que plantou, e daqui a pouco virão os morangos”, contou Marcus, seu pai. “Coisas pequenas como essa que são ensinadas fazem muita diferença, e para as crianças têm um significado muito grande. Parabéns pela iniciativa”, complementou.

DESTAQUE DECLARAÇÃO
“A manutenção de toda horta orgânica é uma rica oportunidade de troca de experiências e conhecimentos sobre planejamento, trabalho em equipe, autonomia e agricultura orgânica. Na Associação Cairuçu as hortas são comunitárias, cuidadas por nossos estudantes e abertas à população, porque queremos estimular as pessoas a cultivarem suas próprias hortas orgânicas”. Bete Canela
No Projeto Letramento e Teatro, a Educadora Vanessa Pizzo trabalhou histórias abordando o tema das plantas antes de acompanhar suas educandas no manejo da horta educativa. Além disso, o grupo participou de ensaios e apresentou a peça “O fim da picada” – com enfoque na prevenção da febre amarela, na importância da vacinação e da preservação ambiental – para estudantes da Escola Municipal Theóphilo Rameck.

As bailarinas do Curso de Ballet e Danças Livres também foram convidadas a cuidar da horta e conheceram a prática da Agricultura Orgânica. A estudante Eiky Marion, 12 anos, está na Associação Cairuçu há nove anos dançando balé e participando de outros projetos. Quando começaram a construir o espaço da horta no CEIC Patrimônio, ela fez parte da equipe que elaborou o livro com informações relativas às plantas cultivadas: absinto, alecrim, camomila, coentro, hortelã, hortelã galinha, malva, manjericão, orégano, salsinha, sálvia e tomilho. “Eu também já participei das aulas de meio ambiente para criar um ar condicionado ecológico que não precisa de energia elétrica, sendo feito com garrafas PET e papelão; e ainda para montar um sistema de captação de água da chuva, que ajuda a economizar este recurso natural”. Eiky conta que nos encontros com a Educadora Bete Canela aprendeu ainda a gerar energia usando uma bateria de carro. “Nós sempre conversamos sobre a importância de repensar os nossos hábitos e tentar proteger o planeta”, conclui Eiky.
No CEIC Laranjeiras os estudantes cuidaram da horta educativa com 24 variedades de temperos, verduras, legumes e ervas medicinais totalmente orgânicos e puderam colher esses alimentos juntamente com suas famílias. Algumas crianças também iniciaram suas próprias plantações no quintal após participarem do projeto. Em outros momentos, os estudantes usaram a criatividade na oficina “Jogos Ambientais” desenvolvendo com materiais recicláveis brinquedos divertidos para refletir sobre temas como desmatamento, gestão sustentável de resíduos e economia de água.
A integração entre os programas da Associação Cairuçu teve sucesso também em outras propostas. Com suporte do Curso de Criação de Aplicativos, os estudantes idealizaram o Aplicativo Horta Orgânica depois de muito estudo e pesquisa das informações sobre métodos orgânicos de controle de pragas. Já no Curso de Fotografia a Educadora Mariana Vergara levou os estudantes ao Laboratório de Ciências e eles puderam conhecer as técnicas para captar imagens a partir da observação da natureza no microscópio. O resultado das aulas está na Exposição “Furta Cor”, apresentada no salão da Câmara Municipal de Paraty e composta por estruturas móveis para ser itinerante. “Nossa proposta foi promover a identificação da relação existente entre indivíduo, meio ambiente e fotografia”, explica Gilmara Kíria, Coordenadora do Programa Tecnologia e Inovação. “A composição impacta não apenas o visual da foto, mas também a forma de observar, pensar e sentir a imagem”.
A parceria deu origem ainda a um filme em Stop Motion produzido com maquetes preparadas na Oficina de Papel Machê pelos estudantes do Curso de Informática Educativa do CEIC Patrimônio. Juntos eles entenderam como transformar o papel usado em material reciclado para modelar os objetos do cenário de histórias que resgatam as lendas de Paraty. Essa oficina de papel machê também aconteceu no CEIC Laranjeiras, dando origem a uma maquete simulando um safari para outro filme de animação.
1ª Gincana Ecológica
As três comunidades atendidas pela Associação Cairuçu se mobilizaram no início de 2018 numa inédita Gincana Ecológica. A proposta de integrar diferentes áreas em gincanas cooperativas consolidou-se como pertinente método de aprendizado de atitudes sustentáveis. Na primeira edição os estudantes do Patrimônio, Laranjeiras e Ponta Negra receberam desafios de arte, esporte e tecnologia envolvendo temas sobre saneamento (água, esgoto e lixo). Os desafios de arte abrangeram música, leitura e artesanato. Já as provas de tecnologia utilizaram meios de pesquisa na internet e produção de fotografias e vídeos sobre problemas ambientais nos três locais. Por fim, o esporte abordou o tema ambiental numa corrida de obstáculos e por meio de um jogo de arremesso de bolas. Nos três CEICs, a Gincana estimulou também a interação com as comunidades através de entrevistas sobre os assuntos estudados. No final, todos se divertiram, aprenderam e venceram juntos!

1 2 5 6

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *